Qualquer semelhança será mera coincidência...

09 de Out de 2012

Como mostram etnografias recentes, uma abordagem atual das eleições deve levar em consideração a função cada vez mais relevante do dinheiro, tanto sob forma direta quanto transformado em recursos diversos, como meio de angariar votos e conquistar eleitores.





Twitter; @ItapebiAcontece 

 

O artigo pretende mostrar como o dinheiro utilizado nas eleições municipais atua com um desterritorializador das relações sociais previamente existentes, ainda que apenas em alguns casos. Ele é um signo de mercantilizarão do processo eleitoral que encerra em si mesmo as transações de longo prazo envolvendo o empenho da palavra, das promessas e dos blocos de dívida e crédito, tanto de eleitores quanto de candidatos. Mas o dinheiro em sua forma pura pode ser desmonetarizado pelas próprias relações de dívida e crédito no interior da circulação de recursos-voto por recursos-favor. Por outro lado, bens e serviços que implicam apenas indiretamente o dinheiro pode sofrer um processo de monetarização, dependendo da forma como são aplicados.
Como mostram etnografias recentes, uma abordagem atual das eleições deve levar em consideração a função cada vez mais relevante do dinheiro, tanto sob forma direta quanto transformado em recursos diversos, como meio de angariar votos e conquistar eleitores. O tema foi tratado sob enfoque etnográfico, no âmbito da antropologia brasileira, ao menos por dois autores (Palmeira 1992; Goldman 2000). Segundo Palmeira, a chamada compra de votos ocorre sempre que o dinheiro é usado abusivamente ou sob sua forma pura e imediata. Para Goldman, existe certa ambivalência dos sentidos atribuídos a essa prática.
A aproximação do processo eleitoral à circulação de dons é encontrada em várias épocas e latitudes. Segundo diversos estudos, os intervenientes encaravam com dificuldade a ausência de dons durante este período. Candidatos e eleitores parecem considerá-la uma época de dissipação de riquezas e serviços cujas reservas tornam-se ilimitadas. De acordo com os dados de minha pesquisa, ambas as partes, cujas posições muitas vezes confundem-se e trocam-se (o que não desfaz a tensão entre elas), põem-se de acordo com a seguinte opinião: a época da política é o tempo em que alguns querem votos e outros querem favores. Aos que desejam os votos resta apenas dobrarem-se aos desejos dos que os detêm. E como corolário: os que obtiveram favores devem reconhecer-se devedores dos que os concederam, obrigando-se a retribuí-los levando a efeito a palavra empenhada na época do recebimento. Ao detentor dos favores resta honrar seus compromissos junto aos donos dos votos. Essa é a regra, declarada ou tácita. Resta saber o modo como ela responde ao funcionamento da máquina social e as formas como as regras podem ser legitimamente rompidas. Desta forma alguns políticos são eleitos com votos “trocados por dinheiro”, e os eleitores só dão conta que fizeram um péssimo negocio quando no caso de Itapebi, observam a falta de um transporte coletivo para ir a seu trabalho, seu filho ir para a escola na cidade alta caminhando ou em carrocerias de veículos utilitários quando o onibus quebra, a falta de um veiculo de transporte de idosos nas ladeiras da cidade baixa para um posto de saúde quando tem o médico, uma creche para as mães de a cidade baixa deixar seus filhos para trabalhar sem ter que ir até o bairro novo deixar na creche Jesus amparado da irmã Maria ramos... O ruim de tudo isso ainda é o “fanatismo” injetado pelas falsas promessas de empregos de ambos os lados, compra de bens domésticos dentre outros favorecimentos esdrúxulos como cimento, caçambas de brita e materiais de construções.  Esquecendo que a condição de vida de um cidadão deve ser gerada por serviços dos candidatos que eles elegeram e não somente na época de campanhas política, pois desta forma o candidato se eleito, irá encontrar a formula de recuperar o que fora gasto nesta época.  Observa-se que nos tempos atuais o trabalho prestado por verdadeiros servidores públicos que não mede esforços para ajudar, até mesmo em horários que a eles são dispensados ao seu descanso e lazer, e, se aventuram a candidatar-se a cargos políticos dificilmente são eleitos porque não dispõe de recursos para pratica da compra de votos, pois os verdadeiros servidores são concursados e não nomeados e seus salários em média são sempre em torno de 800 reais.
 
Arnaldo Alves
Baseado no texto de Jorge Mattar Villela
Jorge Mattar Villela é pós-doutorando no Departamento de Antropologia da USP.
 

Compartilhar

ARTIGOS

Aécio colheu o que plantou; diz colunista

Se não tivesse feito o que fez, hoje ele seria, provavelmente, o candidato do PSDB à Presidência da República. (Artigo de Leonardo Attuch - Revista Isto é)

21 de Abr de 2018

7 De Setembro Dependente Da CORRUPÇÃO

Nesta quinta, esta história ganha um capítulo que poderia não ter sido escrito. Poderíamos estar comemorando até hoje esta independência através de uma verdadeira...

07 de Set de 2017

MÁRIO LOUZADA: O AMBIENTALISTA QUE PENSA FORA DO SENSO COMUM

O Secretário do Meio Ambiente só desagrada aos que torcem contra a cidade pela velhas práticas antigas na sua pasta.

18 de Ago de 2017

Malu Fontes: A polícia presa

Há uma semana, viaturas públicas de Feira de Santana, a segunda maior cidade da Bahia, estavam fiscalizando o transporte clandestino no município. Foi o suficiente para...

03 de Jul de 2017

Dia do Trabalho

- Em 1º de maio de 1941 foi criada a Justiça do Trabalho, destinada a resolver questões judiciais relacionadas, especificamente, as relações de trabalho e aos direitos...

01 de Mai de 2017

Políticos ganham eleições prometendo gerenciar bem coisas que...

Folheando um texto de Nestor Duarte, em seu livro A Ordem Privada e a Organização Política Nacional( 1939), encontro relatos atualíssimos como se fossem escritos hoje.

28 de Set de 2016

CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS EM CAMPANHA ELEITORAL DE 2016.

Os servidores públicos, comissionados, contratados ou efetivos devem ficar atentos para não praticar condutas que são vedadas na campanha eleitoral de 2016.

12 de Ago de 2016

Microcefalia, aborto e a disputa política sobre a deficiência

Uma reflexão sobre a linguagem e o modo como as pessoas com deficiência são significadas pelo discurso

07 de Mar de 2016

O que está acontecendo com Itabuna?

Dessa vez meus pais foram surpreendidos (apesar de não ser esta a primeira vez que foram vítimas de violência), e nossa família, amigos e clientes ficamos todos...

18 de Fev de 2016

Homenagem a Rosalvo Teixeira do Nascimento (1926-2015)

Rosalvo Teixeira do Nascimento nasceu no Povoado de Pedra Branca (atual cidade de Itapebi) no ano de 1926, filho de Dionízio Teixeira do Nascimento e Altina Brites...

26 de Dez de 2015

FALE CONOSCO

WhatsApp: (73) 8171-4770 Tel:(73) 8879-9975

Sem enquetes cadastradas

VÍDEOS

CANÔA SUISSA II
POSTADO: 09-12-2013 12:12

NOTAS SOCIAIS

  • DADOS DO MUNICÍPIO DE ITAPEBI

    Fundação 14 de agosto de 1958 (58 anos)- Gentílico- itapebiense Prefeito- Juarez da Silva Oliveira(Peba) (PP) (2017–2020)- Vice-prefeito – Claudio Henrique Ferreira de Carvalho (PR)- Câmara de Vereadores (09) - Herlemilson Caldas Pereira (PDT), Cleide Moreira do Nascimento (PTN), Cristiano Pereira da Silva (PRTB), Damiao Teixeira Silva (PRTB), Roberley Barbosa de Brito (PSL), Leonardo Ribeiro dos Santos (PSB), Paulo Henrique...


    Ver todas as notas
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7