Microcefalia, aborto e a disputa política sobre a deficiência

07 de Mar de 2016

Uma reflexão sobre a linguagem e o modo como as pessoas com deficiência são significadas pelo discurso

Twitter: @ItapebiAcontece




Diante do ressurgimento do debate sobre a autorização do aborto em razão das informações nebulosas sobre a ligação do zika vírus com a microcefalia, é importante pensarmos sobre alguns sentidos que estão por traz dessa questão.

O Estado, até agora, não conseguiu coletar os dados e apresentar soluções eficazes e responsáveis sobre a discussão do zika. E asinformações na imprensa e nas redes sociais continuam se desencontrando. Desse modo, até o momento, não é possível comprovar a relação de causa e efeito entre o vírus e a microcefalia. O que já se sabe, contudo, é que a microcefalia pode ser mais ou menos greve.  

Apesar da microcefalia ser uma deficiência, ela vem sendo tratada, silenciosamente, como uma doença. No entanto, quando se associa a microcefalia à necessidade de aborto, porque ela seria “incurável”, esse dizer produz alguns efeitos, entre eles o de que a deficiência é algo que deve ser evitado e até combatido, como se as pessoas com microcefalia, ou com qualquer outra má formação, fossem a própria deficiência; como se as crianças com microcefalia tivessem dado errado, num suposto mundo que abriga as pessoas que “deram certo”. 

Para pensarmos sobre o modo como as pessoas com deficiência são representadas é muito importante interrogarmos, afinal, o que significa alguém com deficiência? Não se trata de uma tarefa fácil, uma vez que ter ou não deficiência se apresenta como uma questão óbvia. Mas seria tão evidente assim?

Se pensarmos no que constitui o sujeito, chegaremos na linguagem, isto quer dizer que a pessoa com deficiência não é o que ela é em si, porque esse “em si” é uma falsa questão, mas o que se diz sobre a pessoa com deficiência, ou seja, como ela é compreendida. 

Para ficar mais claro, podemos pensar na posição-aluno. Ninguém nasce aluno, mas torna-se aluno. Do mesmo modo, uma pessoa não nasce com deficiência, mas se torna, num processo de significação e identificação, em que participam o Estado, a medicina, a mídia etc.

Em outras palavras: não existe a deficiência em si, mas um processo linguístico sobre o que é a deficiência. 

Os discursos sobre a pessoa com deficiência é que determinarão o que é uma pessoa com deficiência. Esses discursos vão interferir no modo como as pessoas se identificam como alguém com deficiência e no modo como o Estado as identifica, por meio, por exemplo, de políticas públicas.

Esse processo de significação / identificação – que se realiza na linguagem – é que produzirá a evidência sobre o que é esse sujeito com deficiência. Portanto, a identidade da pessoa com deficiência é construída na relação com o outro (pessoas e instituições).

Quando se associa uma deficiência, seja ela qual for, a uma doença, como no caso da microcefalia, o efeito é grave, porque doença se combate, se elimina. Mas quem precisa ser eliminado é o vírus e não as deficiências. Se referir ao nascimento de pessoas com microcefalia como “uma geração de sequelados”, como fez o Ministro da Saúde, Marcelo Castro (PMDB), é perigoso, principalmente num mundo em que as pessoas com deficiência são significadas como um entrave.

E é isso que está sendo dito quando se associa a microcefalia à necessidade de um aborto. E é sobre isso que deveríamos pensar. O aborto deve ser descriminalizado, por uma questão de saúde pública, não pela negação da pessoa com deficiência. 

Os efeitos de sentido quando dizemos que é preciso abortar crianças com microcefalia vão significar na própria disputa política e ideológica sobre o lugar que as deficiências ocupam no imaginário social e econômico, uma vez que essas pessoas, supostamente, não geram mais-valia, não somam. 

Num mundo performático, como é o nosso, o valor estético da deficiência é outro fator importante de ser analisado. A microcefalia incomoda mais pelo que ela representa, imageticamente, do que pelo que ela pode ser (afinal, o que é a microcefalia? As informações continuam nebulosas).

No mundo da performance, as pessoas tendem a não tolerar o “desvio estético”, atribuindo anormalidade àquilo que a linguagem produz como evidência. 

O discurso que produz um sentido de anormalidade para as pessoas com deficiência não é novo e nem se forjou de maneira independente. Ao contrário, ele faz parte de um processo discursivo aberto que tem relação com discursos anteriores que, pela repetição, organizaram uma memória sobre a pessoa com deficiência.

No século XVII, as pessoas com deficiência eram identificadas com aberrações, já na década de 30 do século XX, o filme Franks se tornou um clássico do cinema, com um forte conteúdo social e de enorme reflexão para uma sociedade que depois de muitos anos ainda produz um discurso de normalidade. No século XX, pessoas com síndrome de Down também foram significadas como 'menos gente'.

Precisamos pensar no que é dito sobre a pessoa com deficiência, pois é esse dizer que vai se configurar em barreiras simbólicas, discursivas e sociais, atingindo a esfera do político.

ItapebiAcontece   /  Por Amanda Cotrim  (Texto publicado na Revista Carta Capital)
*Amanda Cotrim é jornalista e mestranda no Labjor / Unicamp, onde pesquisa na área da Análise de Discurso. Amanda é a favor da descriminalização do aborto. 


 

Compartilhar

ARTIGOS

7 De Setembro Dependente Da CORRUPÇÃO

Nesta quinta, esta história ganha um capítulo que poderia não ter sido escrito. Poderíamos estar comemorando até hoje esta independência através de uma verdadeira...

07 de Set de 2017

MÁRIO LOUZADA: O AMBIENTALISTA QUE PENSA FORA DO SENSO COMUM

O Secretário do Meio Ambiente só desagrada aos que torcem contra a cidade pela velhas práticas antigas na sua pasta.

18 de Ago de 2017

Malu Fontes: A polícia presa

Há uma semana, viaturas públicas de Feira de Santana, a segunda maior cidade da Bahia, estavam fiscalizando o transporte clandestino no município. Foi o suficiente para...

03 de Jul de 2017

Dia do Trabalho

- Em 1º de maio de 1941 foi criada a Justiça do Trabalho, destinada a resolver questões judiciais relacionadas, especificamente, as relações de trabalho e aos direitos...

01 de Mai de 2017

Políticos ganham eleições prometendo gerenciar bem coisas que...

Folheando um texto de Nestor Duarte, em seu livro A Ordem Privada e a Organização Política Nacional( 1939), encontro relatos atualíssimos como se fossem escritos hoje.

28 de Set de 2016

CONDUTAS VEDADAS AOS AGENTES PÚBLICOS EM CAMPANHA ELEITORAL DE 2016.

Os servidores públicos, comissionados, contratados ou efetivos devem ficar atentos para não praticar condutas que são vedadas na campanha eleitoral de 2016.

12 de Ago de 2016

O que está acontecendo com Itabuna?

Dessa vez meus pais foram surpreendidos (apesar de não ser esta a primeira vez que foram vítimas de violência), e nossa família, amigos e clientes ficamos todos...

18 de Fev de 2016

Homenagem a Rosalvo Teixeira do Nascimento (1926-2015)

Rosalvo Teixeira do Nascimento nasceu no Povoado de Pedra Branca (atual cidade de Itapebi) no ano de 1926, filho de Dionízio Teixeira do Nascimento e Altina Brites...

26 de Dez de 2015

ITAPEBI: O ÚLTIMO A SAIR APAGUE A LUZ!

Assim que os munícipes se sentem com relação a atual desastrosa administração do município

05 de Nov de 2015

MERA COINCIDÊNCIA "SALVE DEUS"

Como se isso fosse pouco o seu povo é um tesouro.

17 de Abr de 2015

FALE CONOSCO

WhatsApp: (73) 8171-4770 Tel:(73) 8879-9975

Sem enquetes cadastradas

VÍDEOS

CANÔA SUISSA II
POSTADO: 09-12-2013 12:12

NOTAS SOCIAIS

  • DADOS DO MUNICÍPIO DE ITAPEBI

    Fundação 14 de agosto de 1958 (58 anos)- Gentílico- itapebiense Prefeito- Juarez da Silva Oliveira(Peba) (PP) (2017–2020)- Vice-prefeito – Claudio Henrique Ferreira de Carvalho (PR)- Câmara de Vereadores (09) - Herlemilson Caldas Pereira (PDT), Cleide Moreira do Nascimento (PTN), Cristiano Pereira da Silva (PRTB), Damiao Teixeira Silva (PRTB), Roberley Barbosa de Brito (PSL), Leonardo Ribeiro dos Santos (PSB), Paulo Henrique...


    Ver todas as notas
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6