EX-PREFEITO GUNGA “DETONA” CLAUDIO CARVALHO E RECHAÇA ALIANÇA COM O EX-PREFEITO

03 de Maio de 2019 11h05

Em Itapebi a campanha parece mesmo estar começando a emergir de forma muito explicita. Pré-candidato anuncia aliança outro desmente e joga duro com aquele que “seria” possível aliado, mas não descarta união futura. Vai entender a política e ou os político

Twitter: @ItapebiAcontece

 

 

 

É normal, num período que antecede a campanha oficial, como agora até de forma muito antecipada, que pré-candidatos se coloquem publicamente com o nome para disputar a Prefeitura de Itapebi.

Mas isso não quer dizer que esse nome estará nas urnas em outubro de 2020. Isso porque esse lançamento de pré-candidaturas serve para marcar posição. Ou até para testar o potencial de algum político. O que vem depois atende pelo nome de aliança. Muitos desistem para se aglutinar em torno de um candidato com chances, de fato, de vencer, com isso não queremos dizer que é o caso destes dois pré-candidatos que foram entrevistados pelo ItapebiAcontece e confirmaram seus nomes para as eleições do ano vindouro

Em Itapebi a campanha parece mesmo estar começando a emergir de forma muito explicita. Pré-candidato anuncia aliança outro desmente e joga duro com aquele que “seria” possível aliado, mas não descarta união futura. Vai entender a política e ou os políticos.

Na nublada tarde da última sexta-feira (03), até com arco íris nos céus da cidade histórica em Itapebi, O Site ItapebiAcontece entrevistou o Ex-prefeito e pré-candidato a Prefeito Adelgundes Ferreira, “Gunga”,  que em sua entrevista disse que não fez aliança com o também ex-prefeito  e pré-candidato Claudio Henrique Ferreira de Carvalho, que  em entrevista ao ItapebiAcontece no último dia 16 de Abril,  disse que havia uma “Aliança com Gunga e uma aliança já feita concreta e muito transparente de ambas as partes”.

Veja a íntegra da entrevista que ‘Gunga’ concedeu a Arnaldo Alves, editor do ItapebiAcontece

 

Gunga, Boa tarde!

O pré-candidato a Prefeito Cláudio Carvalho disse que o senhor seria o aliado dele, o senhor negou na entrevista a rádio, o que há de verdade nisso?

Arnaldo, como eu te disse, não neguei que houve um acordo entre nós. O que eu reafirmo aqui, é que eu fiquei chateado com a postura de Cláudio Carvalho, [citando nome], quando ele tentou “pescar” no meu grupo, que foi um acordo que nós fizemos, deu não “pescar” no grupo dele e nem ele “pescar” no meu, se nosso alvo era Peba. Então o que eu digo é o seguinte, não fiquei satisfeito com isso, então desde já, {viu} se ele não respeitou o meu grupo, como eu posso respeitar o grupo dele? Continuo respeitando, o grupo dele, ele já diferente, temos que rever certas situações, que ficaram mal vistas, pela postura dele, mas tudo bem vamos seguir em frente.

Gunga, você descarta ser candidato à vice de alguém?

Arnaldo, nesse momento eu sou pré candidato a prefeito, eu não sou candidato à vice. Agora, para que isso se concretize, eu tenho que ter o aval do povo de Itapebi, se o povo de Itapebi não me quiser [não quiser a prefeito?] a prefeito, aí eu vou lutar por uma vice, por uma vereança, qualquer coisa. Mas eu sou candidato a prefeito e disso eu não abro mão, se alguém quiser me apoiar, for meu vice, é bem vindo, seja Cláudio, seja qualquer outro.

Você fez algumas referências na primeira pergunta com relação a que Cláudio tenha desrespeitado o seu grupo, tenha “pescado”, foi esse o termo que você usou. Qual foi o tipo de “pescaria”?

Arnaldo olha bem, o acordo lá na fazenda foi o seguinte, ele me declarou apoio e disse que naquele momento ele não tinha interesse de sair candidato, só sairia candidato, se caso não desse para mim. [Quando isso?] Agora, recente. Se caso não desse para mim, ele sairia candidato, colocaria um outdoor na entrada de Itapebi, com a foto dele dizendo que era candidato e de lá iria administrar a situação. Então eu falei com ele, Cláudio, quem dá apoio, também merece apoio. Agora o que eu não aceito é que você “pesque” no meu grupo e nem eu irei “pescar” no seu. Diante de uma postura dessa, o que ele queria ligando para Carlos Sac, dizendo que queria uma conversa em particular com ele, no Paraíso [São João do Paraíso?] Sim, o que ele queria ligar para Vaguinha e dizer que tinha um emprego para ele? Não seria uma tentativa de tentar corroer meu grupo? Então diante dessa postura, eu fiquei arisco, porque político só tem valor, se você tem grupo, se você tem voto. Se você não tem voto, você não senta na mesa de ninguém com ninguém. E hoje eu lhe digo os dois grupos que tem em Itapebi, é o meu e o de Peba. Quer queira, quer não, Peba hoje tem o grupo dele, que é o grupo que tava com Cláudio e hoje está com Peba. E o meu grupo, que é meu.

Como é hoje o seu relacionamento com o atual prefeito, Juarez Silva Oliveira (Peba)?

Muito bom, não tenho o que reclamar de Peba, não como prefeito, porque prefeito quem vai julgar ele, é o povo, não sou eu, apesar de que eu também faço parte do povo. Peba me trata muito bem, me respeita como eu também o respeito, trato bem ele e existe essa cordialidade entre a gente, agora politicamente eu sou oposição. 

Você me disse agora que é pré candidato a prefeito de Itapebi e quem vai realmente confirmar se você é candidato, é o povo. Caso você perceba, isso deve ser através de pesquisa, que o povo não quer você candidato a prefeito agora, mas quer você candidato a vice ou quer você um vereador. Então diante dessa resposta, eu lhe pergunto; lá na frente, digamos que há um acordo para uma possibilidade de candidatura a vice, sua balança pende para Peba ou para Cláudio Carvalho?

Minha balança pende para quem tiver a melhor proposta para Itapebi, eu não quero é aventureiros na minha cidade, eu quero pessoas que estejam visível dentro da minha cidade e permanentemente aqui dentro, eu não quero aquele que venha alugar uma casa aqui, se ganhou some, se perdeu some do mesmo jeito. Então, pessoas que tenha comprometimento de fato com a minha cidade, Arnaldo. Eu moro em Itapebi, eu perdi uma política em Itapebi, perdi uma casa, perdi um carro e continuei em Itapebi. Hoje o povo de Itapebi bate na minha porta quando precisa e eu estou lá, se eu posso servir, eu sirvo e sirvo com o maior prazer, porque é o meu povo, aqueles que me deram 2.700 votos, são dignos do meu respeito e da minha coerência para com esse povo. Agora poxa, eu ganho, aí vou embora porque tenho que educar meus filhos fora, porque Itapebi não presta, eu perco, eu vou embora porque Itapebi também não serve. Não, eu não apoio esse tipo de aventureiro.

Gunga nos bastidores políticos e nas rodas de conversa sobre política, seu suposto grupo tem um número considerável de pessoas que são rejeitadas por muitos. Como você vê isso?

Arnaldo, qual o grupo perfeito? Não existe, porque a gente tem que olhar a cabeça do grupo, o líder, porque é esse que vai administrar. Esse que tem que ter postura, esse que tem que ter conhecimento de administração. O meu grupo é como o grupo de Cláudio; (Na verdade não sei se Cláudio hoje tem grupo), como o grupo de Peba e como outros mais que venham se compor. Tem pessoas que são aceitas pelo povo e outras que não são tão aceitas e, isso é natural. Não vou dizer que meu grupo é melhor do que o de A ou de B, mas se você olhar dentro do meu grupo, todas elas moram em Itapebi, vivem em Itapebi e se você peneirar, você vai ver que as virtudes delas são maiores que os defeitos. Isso sem falar, que eu sou o cabeça, então quanto a grupo, eu não vou dizer que o meu é o soberano, o melhor de todos.

Pelo o que estou percebendo, pelas suas respostas, praticamente você já descartou uma possível aliança com Cláudio Carvalho, ou eu estou enganado?

A possibilidade aí é Cláudio me apoiando.

Você antes era opositor a Francisco Brito, depois acabou sendo o vice dele, depois vocês romperam após 4 a 5 meses, inclusive você confirmou isso em uma entrevista ao ItapebiAcontece e você acabou sendo prefeito por pouco mais de 120 dias com o afastamento do então atual prefeito, Francisco de Brito Filho. Qual avaliação dos três governos, Chico antes de Gunga, Gunga e Chico após Gunga?

Arnaldo, falar do governo de Chico, a gente sabe que foi um desastre, porque ele não administrou Itapebi e deixou na mão de terceiros. Sobre a minha administração, quem vai falar é o povo, os poucos quatro meses que eu fiquei e deixe que eles façam o julgamento da minha administração, não sou eu que vou julgar, não estou aqui para me gabar, mas depois da minha saída do governo, o desastre voltou novamente. O pouco tempo que eu fiquei graças a Deus a nossa cidade sorriu, mas deixa que o povo fale por mim.

Você sendo candidato a prefeito, você sendo eleito prefeito de Itapebi. Qual seria a sua primeira obra impactante para o povo?

Minha primeira obra impactante para o povo Arnaldo é criar uma equipe de trabalho que respeite o dinheiro público, não meta a mão no dinheiro público, porque se não meter a mão no dinheiro público, o dinheiro sobra para fazer alguma coisa. Não adianta ter uma equipe competente, que um rouba de um lado e outro rouba do outro. Se a gente administra o dinheiro da prefeitura e você tem ciência do que entra e do que sai dos cofres públicos, você tem muito bem como direcionar as obras e os benefícios sociais para o povo. Então meu primeiro plano é montar uma equipe competente e honesta.

Veja bem, está acontecendo isso no atual governo?

Não sei, pois não faço parte do atual governo. Não tenho como te responder, porque eu não posso falar uma coisa, que eu não garanto, se tem, não está no meu conhecimento.

Qual avaliação você faz do governo Peba?

Como cidadão eu faço a seguinte avaliação, poderia está fazendo muito mais, mas em vista do desastre que foi pelo menos Itapebi saiu do clima desagradável, hoje você não vê greve. O dinheiro não circula na cidade, o porquê eu não sei, mas os pagamentos estão em dia, eu não sei o que está havendo, que tem algumas coisas que tem que se adequar. Se tivesse muito bom, eu não lançaria meu nome, porque eu não quero ser oposição, só por ser oposição. Eu sou oposição porque o povo está insatisfeito, se o povo está insatisfeito, ele vai clamar pelo meu nome, ou que seja qualquer outro. Agora volto a dizer o que eu não quero em Itapebi, são aventureiros.

Você disse que no atual governo o pagamento é correto, porém esse dinheiro não circula na cidade, qual a ideia você tem disso?

Arnaldo, no meu governo o dinheiro circulou na cidade. Primeiro lugar, esse negócio de cartão de crédito para o funcionário é bom, é; mas prejudica o comerciante da nossa localidade, pois nem todo comerciante da nossa localidade tem parceria com essas empresas, depois, esse excesso de consignado em banco, tira o dinheiro da cidade. Outra coisa que houve também, até negativa do governo, você observa que muitos funcionários perderam insalubridade, adicionais noturno, periculosidade, coisas que dele é de direito. E tudo isso soma, quando se diz qualidade de vida. Funcionário que ganhava 1300 reais caiu hoje para 800 reais, eu ouço muito deles falando na rua, uma diferença de 500 reais, para quem ganha salário mínimo, é um grande diferencial. Não adianta você lapidar a cidade de ouro e o povo passando fome, não adianta. Primeiro salário digno e em dias, aí vai organizar a cidade, saúde, educação, segurança pública. O pai de família quer ver na mesa dele o sustendo dele e da família, se ele não tem um salário digno na mesa, como ele vai sorrir, como ele vai está feliz? Ninguém come paralelepípedo.

Você é funcionário do município de Itapebi, concursado, qual sua função?

Sou técnico agrícola. [Não exerce como professor?] Não, professor é pelo estado. [Exercendo no município como técnico agrícola, qual a pasta que você está respondendo?] Eu trabalho na secretaria de agricultura. [Qual a sua função?] Sou técnico agrícola, dou assistência agrícola ao município. [Você não estava com a subpasta de meio ambiente?] Sim, estou. Para esta pasta, tem que ser alguém que seja concursado, o secretário de agricultura, Luís Eduardo, me chamou e perguntou se eu podia assumir essa posição dentro da secretaria, não tem nenhuma remuneração a mais, mas tinha que ser alguém fixo, eu prontamente assumi, porque o que é para ajudar o município de Itapebi, eu não estou preocupado se o prefeito é A, B ou C. A prova está aí, eu trouxe um ambulância que está em Caiubí, dada por Jânio Natal e agora chegou um carro para o conselho tutelar, dado por Uldorico Júnior, os dois são meus deputados. O que for para ajudar o prefeito, eu estou aqui para ajudar, não crio política mesquinha, que só bate e não apresenta nada de novo e nada de concreto para a sociedade. Então, hoje sou técnico agrícola do município e estou como fiscal de meio ambiente do município.

Recentemente a polícia federal, o ministério público federal, - parece que o conselho tutelar também estava envolvido na operação, quando foram fiscalizar uma pedreira, uma exploração de minério. Qual a sua atuação nesse tipo de operação?

Notificações foram dadas para eles se organizarem, porém pelo o que sei, houve uma briga entre eles e alguém que foi excluído do grupo, foi “lá em cima” e fez uma denúncia, embasado em muitos conhecimentos, que nós mesmos não tínhamos. O que nós fizemos, foi notificar para eles se adequarem, que esse é nosso papel. Não fomos nós que denunciamos, nós apenas fizemos notificações a eles mesmos, tanto que os vereadores tiveram lá, olhando a situação. Porque primeiro você dá um prazo para a pessoa se adequar, caso isso não aconteça, aí vem às punições e sanções em cima.

Há lá na frente, uma possibilidade de união e, quem você vê mais próximo dessa união com o grupo de Gunga?

Qualquer um que vier nos dá apoio, vindo somar, é bem vindo. Seja o grupo de Peba, seja o grupo de Cláudio, qualquer um. [Mas tem mais outros grupos aí também.] Tem Diu, Cleide que se diz também candidato, são duas pessoas que merecem o nosso respeito, empresários de Itapebi, que geram emprego em nossa cidade.

As investidas de Cláudio Carvalho tiraram alguém do seu grupo?

Não, Cláudio só tira do grupo de Peba, do meu grupo ele não tira nada, no meu grupo quem era tendencioso a ele, só estava esperando ele se manifestar, para poder mostrar as caras.

 

Considerações Finais:

Arnaldo, o que eu digo para o povo de Itapebi é o seguinte, eu espero que o nosso povo dessa vez, que sempre foi um povo sábio e nunca deixou de votar certo, meu momento não era aquele, eu reconheço, não me senti traído por ninguém, porque política é isso, soberania do povo. Eu espero só que o nosso povo não seja iludido por aventureiros, por aqueles que chegam aqui de passagem e se dizem Salvador da Pátria e que não se identifica com a gente, mas volto a dizer, eu respeito à soberania do povo. Meu nome está aí para que seja colocado em aprovação pelo povo e, digo a vocês, eu sou candidato a prefeito e não a vice, se algum desses que estiver aí pleiteando o cargo de prefeito e lá na frente quiser desistir, por uma coisa e outra, venha para o grupo de Gunga, que ele aqui será muito bem recebido, nós temos o maior carinho, o maior respeito e amor para receber ele e o grupo dele, não quero de forma nenhuma causar constrangimento a ninguém, agora a minha postura é de candidato a prefeito. Quero também agradecer ao site ItapebiAcontece, por essa brilhante oportunidade e dizer mais uma vez ao nosso povo que eu sou itapebiense, amo a minha cidade, amo o povo da minha cidade e minha casa sempre esteve e sempre estará de portas abertas para receber qualquer um.

 

Entrevista concedida a Arnaldo Alves do ItapebiAcontece na redação do site na sexta-feira 03 de maio de 2019.

 

 

Arnaldo Alves / ItapebiAcontece

Compartilhe por:

29 de Março de 2019 10h03

Politica em Itapebi; pretensões articulações para 2020 iniciaram estão a todo vapor

O fato é que o cenário político-eleitoral de Itapebi está embalado, embolado e imprevisível.

01 de Setembro de 2018 11h09

Utopia não existe, mas continuo acreditando

Entrevista....Ele tem embalado sucessivas gerações desde os anos 1960 — seja em parceria com Roberto Carlos, seja nas músicas que gravou sozinho ou naquelas ao lado de grandes estrelas da música brasileira. Aos 77 anos, Erasmo Carlos acaba de lançar seu

31 de Maio de 2018 12h05

Petrobras está tirando seu pé da Bahia, afirma superintendente da SDE

Em meio ao fechamento da Fábrica de Fertilizantes Nitrogenados da Bahia (Fafen-BA), no Polo Petroquímico de Camaçari e da venda de 60% da Refinaria Landulfo Alves (RLAM), a crise da Petrobras ganha corpo na Bahia e preocupa gestores e trabalhores das unid