Em São Paulo a Inscrição 'Vidas Pretas Importam' é pintada na Avenida Paulista

Brasil
21 de Novembro de 2020 12h11

Pintura foi realizada na madrugada deste sábado (21) e contou com apoio da CET, que bloqueou três faixas da avenida no sentido Consolação. Até 11h20 apenas uma faixa continuava liberada para o trânsito porque a tinta ainda não havia secado.

Twitter: @ItapebiAcontece

Imagem: Reprodução

A pintura da frase “Vidas Pretas Importam” na Avenida Paulista, principal corredor da cidade de São Paulo, terminou por volta das 5h deste sábado (21). O ato em frente ao Museu de Arte de São Paulo (Masp) foi motivado pelo assassinato de João Alberto Silveira Freitas, surrado e morto por seguranças do supermercado Carrefour em Porto Alegre.

A pintura foi coordenada e realizada por do "coletivo de artistas produtores culturais", que reúne profissionais de vários segmentos e voluntários.

Os pintores contaram com o apoio da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), que fechou parte da avenida no sentido da Rua da Consolação para que as pessoas pudessem trabalhar durante toda a madrugada.

A expectativa dos artistas é de que a tinta seque por volta das 13h30, quando três das quatro faixas da Avenida Paulista deverão ser liberadas no trecho de 180 metros onde há a inscrição "Vidas Prestas Importam". Até as 11h20, apenas uma das faixas estava liberada para o trânsito.

O trabalho da pintura começou por volta das 22h de sexta-feira (20).

 

"Eu espero que a gente consiga dar o recado do tamanho que está sendo essas letras. Uma simbologia nessa cidade, nessa avenida", disse a artista e produtora Fernanda de Deus. "Não só no dia de hoje, a a gente tem que exaltar o quanto é importante a vida dos negros e negras. Os pretos e pretas aqui no Brasil".

"Eu desejo que acabe [o racismo]", falou o artista visual João França. "Porque essa violência sempre existiu. A diferença é que agora ela está sendo mostrada pela câmera de celular".

"Essa frase deveria estar em todas as ruas e vielas para que a sociedade não esqueça o quanto o racismo é estrutural no nosso país", afirmou Neto Duarte, artista plástico e produtor visual.

Protestos antirracistas foram registrados em várias capitais brasileiras na sexta-feira (20), após a morte de João Alberto. Clique aqui e vejas imagens pelo país.

Em Porto Alegre, a manifestação começou pacífica, mas terminou em confusão. Em São Paulo, grupo atacou uma loja do Carrefour - ninguém se feriu. No Rio, protesto fechou unidade da rede de supermercados. E a imprensa internacional definiu o caso como 'espancamento brutal'.

O presidente Jair Bolsonaro falou sobre violência em uma rede social, mas não citou o caso de João Alberto. Ele nem falou em assassinato ou sobre racismo no Brasil. O vice-presidente Hamilton Mourão lamentou a morte, mas afirmou que não há racismo no Brasil.

Por G1 - S. Paulo

Compartilhe por:

Envie um comentário:

*Nota: O depoimento e comentário aqui postados são de inteira responsabilidade dos emitentes. Cabendo ainda os responsáveis pelo Site Itapebiacontece moderar as postagens.*

Comentários

04 de Dezembro de 2020 18h12

Em Salvador, Bolsonaro cumprimenta sem máscara apoiadores em chegada para evento

Moradores do bairro promoveram um panelaço enquanto aguardavam a chegada de Bolsonaro; também houve manifestações de apoio ao presidente

04 de Dezembro de 2020 18h12

Funcionária de hospital de Porto Alegre morre após segunda infecção de Covid-19

Após passar duas semanas internada na UTI do hospital de Tramandaí, mulher de 34 anos não resistiu

04 de Dezembro de 2020 18h12

Mais de 30 pessoas foram diagnosticadas com Covid-19 em abrigo de idosos, no sul da Bahia

Segundo a coordenação do abrigo, os testes foram feitos no dia 24 de novembro, depois que algumas pessoas apresentaram sintomas da Covid-19.