Operação Faroeste': PF cumpre mandados contra advogados suspeitos de interferência em decisões do TJ-BA

POLICIA FEDERAL
09 de Julho de 2024 15h07

Seis mandados de busca e apreensão foram cumpridos, nesta terça-feira (9), em Salvador, Mata de São João, na região metropolitana e Serrinha, no interior do estado.

Twitter: @arnaldofenix

Imagens: Reprodução WEB

A Polícia Federal deflagrou, nesta terça-feira (9), uma operação que investiga a participação de advogados alvos na "Operação Faroeste" em negociações de decisões judiciais de magistrados do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA).

A investigação tem origem nos fatos apurados da Operação Faroeste, quando se descobriu a existência de várias organizações criminosas atuando no Tribunal, integradas por magistrados, servidores, advogados e empresários.

Segundo a Polícia Federal, a ação faz parte das fases III e IV da Operação Patronos, em conjunto com o Ministério Público Federal.

Nesta terça, são cumpridos seis mandados de busca e apreensão em Salvador, Mata de São João, na região metropolitana, e Serrinha, cidade que fica a cerca de 170 km de Salvador. Os policiais ainda cumpriram medidas cautelares com a participação de 28 policiais federais.

Em setembro de 2023 e no dia 1° de julho deste ano, foram deflagradas as fases I e II da Operação Patronos, quando também foram cumpridos mandados de busca e apreensão nos endereços dos investigados, além da determinação de medidas cautelares de constrição patrimonial.

Segundo a Polícia Federal, na fase I, foi determinado ainda o bloqueio de, aproximadamente, R$ 37 milhões em bens e valores dos investigados, por causa das suspeitas de origem ilícita, e suspensão do levantamento pelos investigados de cerca de R$ 7 milhões, vinculados aos processos em que foram proferidas as decisões investigadas.

Os investigados poderão responder pelos crimes de corrupção ativa, corrupção passiva e lavagem de capitais.

Operação Faroeste

A Operação Faroeste apura um esquema de venda de decisões judiciais para a grilagem de terras no oeste da Bahia. A ação começou no final de 2019, com a prisão de quatro advogados, o cumprimento de 40 mandados de busca e apreensão e o afastamento dos seis magistrados – entre eles o presidente do TJ-BA da época. Desde então, ocorreram várias prisões e movimentações no caso.

As investigações da Polícia Federal apontam a existência de um esquema de venda de decisões judiciais por juízes e desembargadores da Bahia, com a participação de membros de outros poderes, que operavam a blindagem institucional da fraude.

O esquema supostamente consistia na legalização de terras griladas no oeste do estado. A organização criminosa investigada contava ainda com laranjas e empresas para dissimular os benefícios obtidos ilicitamente.

Há suspeitas de que a área objeto de grilagem supere os 360 mil hectares e de que o grupo envolvido na dinâmica ilícita tenha movimentado cifras bilionárias.

A Polícia Federal informou que o grupo é suspeito de corrupção ativa e passiva, lavagem de ativos, evasão de divisas, organização criminosa e tráfico de influêcia.

 G1

Compartilhe por:

Envie um comentário:

*Nota: O depoimento e comentário aqui postados são de inteira responsabilidade dos emitentes. Cabendo ainda os responsáveis pelo Site Itapebiacontece moderar as postagens.*

Comentários

19 de Julho de 2024 11h07

POLÍTICA LOCAL: Às vésperas de convenções partidárias, saiba qual o cenário eleitoral na disputa pela prefeitura de Itapebi

O Site ItapebiAcontece analisa, os – até agora declarados pré-candidatos Isan Botelho e Norma Queiroz.

19 de Julho de 2024 10h07

Sentir a terra tremer relata morador: São Paulo registra abalos após terremoto no Chile

Abalo foi relatado momentos após um forte terremoto na região de Antofagasta, no Chile; Veja Vídeo.

19 de Julho de 2024 09h07

Apagão cibernético global paralisa voos e afeta TVs, bancos e hospitais

Falha generalizada começou após o mal funcionamento de um antivírus corporativo usado em grandes estruturas digitais