PMs são suspeitos de 25 assassinatos durante greve

Geral
13 de Fevereiro de 2012 22h02

Segundo dados do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), há "fortes indícios" de execução em 45 dos 180 casos. Entre eles, existe a suspeita de participação de policiais ou ex-policiais militares em "de 25 a 30" assassin

 

                                    

 

Balanço preliminar da Secretaria de Segurança Pública da Bahia aponta que, no período da greve parcial da Polícia Militar no Estado, entre a noite de 31 de janeiro e a noite de sábado (11), ocorreram 180 homicídios na região metropolitana de Salvador - 111 na capital e 69 nos demais municípios.A média diária de homicídios na região, de 15, foi mais que o dobro do que a registrada nas semanas anteriores à paralisação, de 6,7 por dia, e levou o mês a ser o fevereiro mais violento já registrado na região, apesar de o mês ainda estar chegando à metade. O maior índice para o mês inteiro, registrando anteriormente, havia sido em 2010, com 172 assassinatos. Ontem, primeiro dia após o fim da paralisação, foram registrados mais três homicídios na região, dos quais um na capital.


Segundo dados do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), há "fortes indícios" de execução em 45 dos 180 casos. Entre eles, existe a suspeita de participação de policiais ou ex-policiais militares em "de 25 a 30" assassinatos no período, segundo o diretor do órgão, delegado Arthur Gallas. Os "15 ou 20 restantes" são atribuídos a disputas entre traficantes de drogas e cobranças de dívidas do tráfico.

"Os crimes suspeitos de envolver policiais são característicos desses grupos que fazem segurança clandestina em áreas populares a pedido de comerciantes", afirma Gallas. "Em todos esses casos as vítimas são jovens, negras, usuárias de drogas, sem residência fixa, com histórico de furtos e roubos nas regiões em que circulavam. Pessoas que prejudicam os negócios dos comerciantes."

Dificuldades

De acordo com Gallas, há "vários PMs suspeitos" de envolvimentos nos crimes, mas há dificuldades nas investigações - entre outros motivos, pela pouca colaboração dada por próprios integrantes da PM. "As corporações têm conhecimento de muitos dos casos, mas eles são abafados, pela própria cultura dos militares", avalia. Possíveis ligações entre os PMs suspeitos de participar das mortes e o comando grevista também estão sendo investigados. "Ainda não temos elementos para atribuir os homicídios ao comando da greve, mas há fortes indícios, em alguns casos, da intenção de causar comoção na sociedade para pressionar o governo", afirma o Secretário de Segurança Pública, Maurício Barbosa..

Fonte Ag. Estadão

Compartilhe por:

Envie um comentário:

*Nota: O depoimento e comentário aqui postados são de inteira responsabilidade dos emitentes. Cabendo ainda os responsáveis pelo Site Itapebiacontece moderar as postagens.*

Comentários

05 de Abril de 2020 20h04

91 cidades baianas oferecem alto risco de propagar novos casos da doença, diz estudo

Salvador, Feiras de Santana, Alagoinhas, Barreiras, Ilhéus, Itabuna e Vitória da Conquista aparecem na lista como potenciais vetores

05 de Abril de 2020 13h04

Bahia registra 401 casos confirmações do novo coronavírus

Até o momento, 1914 casos foram descartados e houve nove óbitos, sendo sete de residentes em Salvador, um em Utinga e outro em Itapetinga. Este número contabiliza todos os registros de janeiro até as 12 horas de hoje.

04 de Abril de 2020 18h04

COM APOIO DE JÂNIO NATAL, ASSEMBLEIA APROVA MAIS DOIS PROJETOS CONTRA O CORONAVÍRUS

A isenção vale pelo período de 90 dias e garante, aos mais humildes, a água necessária à higiene, que protege contra o vírus.